own..

own..
Say a Little Prayer for You by Aretha Franklin on Grooveshark

sexta-feira, 18 de junho de 2010

O Mundo é um Moinho

Olha, eu amo Copa do Mundo. Mesmo. É uma sensação diferente, de abraço coletivo, de queda nas taxas de juros, sensação de super potência, coração verde e amarelo! Será que a Copa é boa porque não acontece feito carnaval? O intervalo é bem grande e aumenta a expectativa. É como o Hudson faz em seus 'jantares', o melhor tempero é mesmo a fome. 

Anyway, por esse ou por outro motivo qualquer estou exalando alegria, envolvida até o pescoço com os resultados das seleções temíveis e ainda sentindo um gelado na barriga, pois a caçula vai casar. É muita emoção...

Falando nela, - ontem insana, hoje de cama - começou a apresentar os primeiros sinais da situação. Flor da pele, beira de ataques, detalhes imperceptíveis aos olhos humanos, mas que são flagrados pelos dela... está noiva total! Está tão responsavelmente atribulada com as funções de quem vai assumir uma vida, que não me deixou perceber um monte de coisas. Por outro lado, eu me apeguei muito ao jargão da vida moderna e estou sempre 'sem tempo', 'correria danada', 'tudo pra ontem', e acabo perdendo alguns sinais vitais. Mas ontem pude perceber no fundinho dos olhos dela um 'Dri, eu posso MESMO fazer isso?'.

Eu e temos uma relação de amor implícito. Culpa minha, com certeza. Não sou boa pra falar de amor e acabo criando essas dificuldades. Para me tirar do prumo, basta falar coisas boas de mim mesma. E Renata é toda fofa, delicada, meiga - claro que também nunca disse isso a ela; não sou boa pra falar de amor... - e sempre deixou restinho da mamadeira pra mim sem ter que pedir muito. Como são 5 longos anos que separam nossas datas de nascimento, lá em casa, ela podia tomar nescau na mamadeira, mas eu não, porque já era mocinha. Mas era um vício infantil, inocente e maravilhoso que eu não conseguia me livrar. Como mamãe já havia proibido, eu pedia (tá certo, às vezes eu ameaçava) pra deixar pra mim nem que fosse um restinho. E ela deixava, sempre! Eu tomava aquele néctar mas não agradecia como devia. Eu nem tinha ideia da imensidão daquele ato de bondade. Tive que abandonar o 'restinho' quando a Renata passou a tomar o nescau no copo...

E aí fomos vivendo assim, ela me ajudando no setor sentimentos reprimidos e eu representando uma mulher maravilha para minha irmã mais nova. Que exagero! Exagero sim, não tenho nada de maravilha, mas ela acha que eu aguento mais, que eu não tenho medo nem dúvida e sei resolver meus problemas. Ela acha que só não sei fazer arroz, mas levo minha vida de gente grande de forma fácil e natural.

Então, ontem quando vi o fundinho do olho dela me pedindo apoio, percebi que continua tudo a mesma coisa. Minha irmã mais nova vai se casar, fazer compras no supermercado, controlar a faxineira, pagar o condomínio e assumir a vida dela. Minha irmã mais nova cresceu. Mas ainda é e sempre será a minha irmã mais nova...

Eu nunca te disse, caçula, mas as minhas noites bem dormidas aconteciam por causa do seu 'restinho'; e que me lembro até hoje das sofridas lágrimas que não consegui segurar quando te deixei no primeiro dia de aula do Maternal I; e, ainda, sempre tive orgulho de você mesmo quando dançava 'Batatinha Frita 1,2,3'. E para declarações abertas por meio deste blog, é só. O resto mantemos em segredo; segredo de família.

Beijos e que venha a festa!

P.s.: Emocionada, estou hoje em luto por José Saramago e musicalmente apaixonada por Cartola.

10 comentários:

maria carmen disse...

Pode uma dinda e uma tia nessa altura da vida, depois de tantos trancos e barrancos, estar banhada de lagrimas?
Pois é! Tia Caque ficou agora completamente cega no teclado.Meus olhos estão como se uma nuvem os acobertaram.
Não só pela cronica da libriana. "Afilhada puxa madrinha". Mas porque sempre quis falar coisas para minha caçula e nunca consegui com palavras. Talvez meus gestos a fizeram entender.
Que minha mana caçula me entenda agora. Nunca é tarde.
Beijos e obrigada pela ajuda desse resgaste.
Tia Caque.

Laura de Oliveira disse...

Lindo. Perfeito. Feito Dri, Ré e a doce e amalucada Pimpa! :)

Renata, You GO, Girl!

*Lilian* disse...

Lindo!!!! A descrição da Rena foi perfeita!!! Ela é mesmo assim...

R. Zoni disse...

Gente... Estou aqui tentando me conter, assistindo Jornal Nacional com Mamis, Papis e Mel ao meu lado (pensando ao mesmo tempo que ainda não sei como será o Jornal Nacional semana quem vem...) e segurando a emoção para que eles não pensem que o estresse absoluto chegou na noivinha aqui né... Mas não é estresse... Na verdade essa parte ainda não conheci da vida de ser noiva, é pura felicidade mesmo em ler depoimentos tão lindos da minha irmã realmente adulta! Depoimentos que quase conseguiram afogar meus olhos em lágrimas!! (imagino o Tio Mandinho lendo isso...)

A Dri é mesmo assim, meio mulher maravilha, auto suficiente, mas sempre soube que no fundinho ela é normal (mas beeeem lá no fundinho... rs)

Brincadeira. É alguém com dificuldades de manifestar sentimentos, mas quando acontecem percebo a sinceridade e o alívio que sente no desabafo. Eu, já bem mais carinhosa e delicada (hehehe) me sinto em muitos momentos acanhada com a barreira e completamente a vontade quando existe a abertura... Os momentos que passamos juntos são pra mim insubstituíveis!

Existem vários outros motivos que demonstrei o grande amor e admiração que sinto por você.

Chegar em casa e querer usar aquela roupa nova... mas você chegava na frente e com seu jeitinho me enrolava direitinho e ainda me fazia rir...

Me “deixar”, mesmo que obrigada, a brincar de pique esconde... O meu “xiii” (com som) te tirava do sério, mas a minha alegria em brincar com a minha irmã mais velha – não tinha preço.

É verdade que a irmã mais nova aqui se fazia de saco de pancadas... Mal de irmã mais nova. Faz parte. Mas sempre fomos irmãs se sangue, de coração. Entre nós podia tudo, mas nos defendíamos com unhas e dentes sempre que algo nos ameaçava... (maternal 1?)

É... agora o dia do meu casamento chegou. A diferença dos 5 anos já deixou, há anos, de ser a diferença que existia entre nós na época da mamadeira... Quero sempre ter você, acima de irmã, minha grande amiga! Amiga que não pode me ensinar a fazer um arroz soltinho mas que sabe como ninguém a contornar os problemas da vida... (com ou sem dificuldades, mas que sabe, sabe...rs)

Obrigada pelo carinho. Seu olhar me fala o quando você torce e acredita na minha opção pelo casamento. No dia em que eu assar minha primeira tábua de frios... é pra você que vou correr!!!

Faltam 4 dias... 4 DIAS!!!!!!!

Beto Nogueira disse...

É.E eu aqui feito bobo.Pensando que a vida dos filhos podem se resumir nas nosas proprias vidas ,nos nossos desejos.Claro que crescem e adquirem idntidades propias.Foi assim conosco tambem!!!Nossos pais passaram por isso e os filhos tambem irao passar.Normal por demais,penso e insisto comigo mesmo...Contudo,essa normalidade é dificil de aceitar qdo esta chegando a hora.Qdo Dri casou,fiquei tempos "namorando" o spaço dela na casa.Seu quarto,seu banheiro,pertences,moveis,etc.
Bom que tenha assumido a vida,mas complicado pra aceitar o vazio inevitavel que fica.Acostumei.Todo dia nos vemos,veio o baixinho com seu papo e jeito diferente,o con tato com o Alessandro cada vez mais proximo e tudo isso preenche.Agora esta tudo normal,pensei!Que normal?A cena vai repetir de novo e agora com a Re.Sei que vai ser duro.Sei que sera dificil e sei que superaremos mais essa.E eu querendo que tudo continuasse como antes.Nao da.E nao pode dar pois a vida é mesmo assim.Tomara que isso se enquadre logo.Descobri que apesar de calmo,venho estando mais aflito,mais nostalgico,sei la!Terei todos juntos e mais ainda o Emilio com seu jeito todo proprio e com varias posturas que se aproximam das minhas.è o porvir que nos deixa inseguros.mesmo que o que vai pintar tem toda pinta de que sera bom pra todos.Dia desses lembrei das noites que ficavamos nos 4 no Grajau,jogando baralho.Era sempre nas segundas e adoravamos.por razoes que nao se sabe,paramos com isso que achava tao legal...Alias qdo se aproxiam uma mudança dessas,costumo ficar meio atordoado com lembranças,graças a deus quase sempre boas.E haja espaço pra tanta coisa.A vida nos passa em segundos.Conseguimos reviver na velocidade de jatos.Cda fato pequeno que aduire relevancia nunca antes imaginada que fica dificil escrever,sobretudo como faço agora,de carreirinha,de bate-pronto,com diz o Alessandro,na tora...
Resta esperar e presevar as unhas que nao dvem estar desgastadas no grande dia.E que tudo seja revestido so de alegria que viemos ao mindo pra isso,ou deveria ter sido,sei la...

emiliopeluso disse...

O que dizer agora, hein? Dri, você expressou como ninguém (talvez um Saramago, rs?) o que a Rena representou em sua vida e o que ela é de verdade: um doce de pessoa; é, realmente, é difícil ao longo da vida colocarmos em palavras tudo aquilo que sentimos. Mas querem saber: o que mais aprendi como essa família linda é que mais do que dizer o que vale a pena é viver. Sei que estou a provocar um momento de ruptura, mas acho que uma ruptura é sempre também a confirmação de um novo início - e disso eu a Renata já sabemos, porque dizemos sempre - para uma vida que tem tudo para dar certo (e já dá). Rena, minha linda, você sabe a ruptura que provocou na minha vida e o quanto isso me faz bem. Beto, já sabe de quantas coisas compartilhamos e quantas ainda iremos dividir - a Renata está entre elas e pode ter certeza que ela estará sempre por perto. Vera, só tenho a agradecer pela confiança e carinho desde o primeiro momento; justamente no aniversário da nossa amiga Dri (eu, ou seja, ninguém ainda, Família Zoni e Nós Andamos Iguais em peso), quem eu admiro exatamente pela distinção com que leva sua vida. Alessandro, saiba que já demos os primeiros passos de uma grande amizade e um parentesco por afinidade (prometo me conter nas festas e mexer menos no som). À comunidade "Nós andamos iguais" desculpe-me pelo abuso do espaço, mas em véspera de casamento tudo se perdoa (sem deixar de lembrar que sempre me senti em casa com vocês). Termino pela lembrança da Dri da infância dessas duas lindas irmãs: "Deixa-te levar pela criança que foste" (Epílogo de "Pequenas Memórias", de José Saramago).

dRI disse...

Eu que não falo palavrão, faço uso articuloso das palavrinhas para me expressar, aliviar, deixar a verdade aparecer.
Mas fala sério, não teve como segurar depois de ler isso tudo, numa manhã de antibióticos.
Meu blog lindo, sendo lido e cheio de talentos!
É o que sempre digo, Deus me presenteou com uma família abençoada e ainda me guiou para achar um grupo de amigos que posso chamar de família. Muito, muito obrigada! (e agora as lágrimas insistentes, de novo....)

Marina disse...

Realmente ta díficil expressar por palavras esse sentimento tão a flor da pele que está tomado por todos (nem preciso comentar que o choro tbm faz parte). Mas o momento não poderia ser melhor, afinal, a data é de comemoração e realização de sonhos! Gostaria que soubessem que apesar de não fazer parte dessa familia, eu tenho por vcs um carinho mto especial e desejo de todo coração continuar essa amizade tao verdadeira, sincera e repleta de bons momentos, afinal, "amigos são a familia que nos permitiram escolher!". Re, lembro agora o inicio do seu namoro c o emilio em que eu fiquei enciumada pq tava perdendo uma companheira de farras, mas esse sentimento logo foi substituido por outro de felicidade de ver minha amiga apaixonada, feliz e realizada (sempre!! rsrs) e é ese sentimento que vai existir pelo resto das nossas vidas pq eu desejo o que há de melhor nesse mundo pra vc (sem parecer cliche), mas é oq eu realmente torço e vou estar sempre do seu lado!! Dri, desculpa as declarações explicitas, mas acho que tbm não sou mto boa de expressar meus sentimentos, entao aproveitei a inspiração... rsrs

disse...

SNIF...
E MEU PRIMEIRO COMENTÁRIO FOI EXPIRADO!!!
BOM, MESMO QUE TENTASSE REESCREVER A MINHA DECLARAÇÃO PARA A DRI, RÊ E A FLÁVIA (MINHA IRMÃ) SERIA IMPOSSÍVEL. AS VISTAS ESTÃO EMBARALHADAS E O TECLADO ENCHARCADO.
MAS O QUE QUIS DIZER É QUE TAMBÉM AMO MUITO VOCÊS E ESTOU IMENSAMENTE FELIZ POR FAZER PARTE DESSA HISTÓRIA E PARTICIPAR DE MOMENTOS INESQUECÍVEIS QUE VOCÊS NOS PROPORCIONAM.
RÊ E EMÍLIO,
APESAR DO PEQUENO QUADRADO, VOCÊS TÊM UM LUGAR IMENSO EM NOSSOS CORAÇÕES.PODEM TER CERTEZA DISSO.
OBRIGADA PELA AMIZADE E O CARINHO QUE NOS DEMONSTRAM A CADA ENCONTRO.
E DRI, AMO VOCÊ.
BETO, VERA, ALESSANDRO E O PEQUENO GRANDE MENINO... É CLARO QUE TAMBÉM ESTÃO DENTRO DESTA DECLARAÇÃO.

R. Zoni disse...

É... um dia antes do casamento foi boa opcão para ler os outros comentários,ainda mais as sete horas da manhã! (claro que não sei o que é dormir faz tempos!!)
Meu marido lindo... EU TE AMO! Lindas palavras...
Momento bom esse... Obrigada a todos por compartilharem comigo de um momento tão sensível, mágico, frágil, feliz da minha vida!
Dri... sem palavras... Obrigada por tudo!