own..

own..
Say a Little Prayer for You by Aretha Franklin on Grooveshark

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Ah, o Natal!

Época em que é impossível não ter sentimentos contraditórios. Época de corações moles, pois é Natal! Época em que procuramos aqueles que precisam, pois estamos com os sentidos de ajuda aflorados. Afinal, é Natal! Época em que gastamos mais dinheiro. O Natal acontece em um momento estratégico, quando também encerramos um ciclo, um ciclo que viemos arduamente cumprindo desde o primeiro dia do ano. Esta época é hora do balanço dos objetivos que traçamos em Janeiro. E aí uns festejam o dever cumprido e outros se preparam para tentar novamente no ano seguinte. Acaba um, mas começa outro. Não me lembro de ver lamentações nesse período. Deu não? Ano que vem tentamos de novo. Mas que o Papai Noel vem, vem. O cara é bem legal e a sociedade deu um jeito de ampliar sua atuação com diversos convênios com o Pólo Norte. Os Correios, por exemplo. Quem quiser dar uma de bom velhinho, pode adotar uma cartinha onde nela uma criança exprime ao Papai Noel o seu desejo de Natal, e aí e só cumprir. Muita gente faz isso. Eu faço. Mas admito que Natal não é uma época que eu gosto, não é uma festa que me envolve, tampouco me faz feliz.

Antes do vovô virar estrelinha, lembro-me que passávamos a noite em volta da árvore que imitava um pinheiro, toda enfeitada de bolinhas coloridas (as bolinhas daquela época eram perigosas e podiam cortar com aquelas pontinhas finíssimas, lembra?) e luzinhas sem pisca-pisca. A mesa posta também estava lá: peru, farofa, frutas, castanhas... Eu queria saber do meu presente. E o vovô se concentrava na ceia. Ele ia perdendo a paciência e quanto mais perto da meia noite, menos paciência. De repente ele cismava, o estômago gritava e ele decidia: “Já é Natal!” Muito polido era o meu avô! Sentava-se em torno da árvore, ia pegando os presentes devidamente identificados e aos gritos e lances ia entregando um a um. Explico melhor: pegava um, lia na etiqueta "De-Para" o nome do beneficiário, repetia esse nome em voz (bem) alta e lançava o presente, como se fosse um frisbee. Mas com todo amor e carinho... Ele fazia isso, porque a ceia vinha depois dos presentes e o vovô sempre foi um grande comedor.

Com "esse" clima de Natal, sempre estivemos em família nessa noite. Acho que é o ideal, apesar de não ser regra. As famílias mudam. Dança das Cadeiras, Cabo de Guerra, Mãe da Rua... Isso tudo acontece de verdade entre as famílias durante o ano. Brigamos, reclamamos, passamos por cima, excluímos, concluímos... Mas no Natal, prevalece o Passa Anel, e ficamos todos juntos novamente. Umas mãos saem, outras entram. É o ciclo se cumprindo. Papai Noel é generoso e vem do mesmo jeito. É o espírito de solidariedade que sobressai.

Feliz Natal pra você! Com mais ou menos anéis, não importa. Como leu a Fê num jornal certo domingo, ninguém é obrigado a entrar no clima natalino e ficar feliz só porque chegou o momento do Chester (porque não há ceias assim no resto do ano??). E há quem sofra com o movimento teatral. Mas façamos assim, troque a ceia de farofa por um churrascão, se for o caso. O pinheiro enfeitado por uma imagem em tamanho real do Márcio Garcia e chame as amigas para só falar bobagem. Curta o momento como ele realmente é: especial porque fazemos com que seja. Fazemos com quem quer que seja.

Feliz Natal pra você! Eleve seus pensamentos, agradeça pelo simples fato de poder ler essas e outras palavras tolas e enjoy a ceia desse ano. No fim das contas, vovô tinha razão. O presente real de uma noite de Natal não está embrulhado ao pé de uma árvore. São as pessoas, somos nós, em volta de uma mesa (ou algo que o valha), tendo o luxo de comer e beber bem, sorrindo por isso e demonstrando através de migalhas a gratidão por esse momento. Um brinde ao vovô Zonzon que cada vez mais me convence de sua sabedoria.

Best Feliz Natal!

3 comentários:

Cláudio Beling disse...

Feliz Natal a Você e aos Colegas Leitores.

Laura de Oliveira disse...

Eita, saudade!

Feliz Natal e MARAVILHOSO 2011, pq 2010 me cansa os pacová.

E, pra ser bem sincera, sou igualzinha ao seu vovô, a melhor parte do natal é a ceia! Com a turma toooda reunida, falando alto, comendo muito, rindo demais! Por isso que é bom, ainda que canse!

BjO em todos do NAI! E uma vida cada vez mais LEGAL pra todos nós :P

disse...

Ah... O natal!!!
Beijos a todos.