own..

own..
Say a Little Prayer for You by Aretha Franklin on Grooveshark

terça-feira, 16 de março de 2010

Quando o sonho vira meta

Como se faz para sonhar um sonho até que ele se torne real? Quer dizer, uma coisa é dormir e sonhar. É quase involuntário. Não dá pra saber aonde vai nos levar nossos pensamentos quando adormecemos. Ele pode ser bom, ruim ou pode nem ser. Dá pra pedir pro Papai do Céu que tenhamos bons sonhos (assim como desejamos a quem amamos), mas não dá para garantir que assim será feito. Mas não falo desse sonho. Quero descobrir como fazer para sonhar um sonho possível. Há quem diga que um sonho assim muda de nome, vira meta.

É isso? Assim se fazem as metas? Quando penso nisso assim, vendo um prazo para que termine (assim devem ser as metas), sinto um frio na espinha, uma sensação tão diferente de quando sonho um sonho; viajo em uma realidade mais leve e mais adequada. Sonhos não tem defeitos. Os sapos viram príncipes, os automóveis são movidos por energia solar, não existem contas a pagar, nem mau humor, nem vizinho chato, nem 'tá na hora, vamo embora'. A vida fica leve, adolescente. E aí, quando o sonho simples fica intenso, fica desejo, devemos trabalhar nele arduamente para que tenha prazo, se estabeleçam condutas, objetivos, tempos e movimentos... E olha que grow-up, o sonho virou um trabalho da vida.

Os sonhos começam doces e se transformam em calorias. Mas tem mesmo que ser assim? Eu tenho, bem no fundinho de mim, a impressão que não somos todos iguais nada. Tem gente, que aos meus olhos (azuis!) sonha sem nenhuma pretensão, faz brilhar os olhos de uma forma natural, estica bem os músculos relaxados e, de repente... Voilá! Dá-se o sonho à realidade. Claro que outras, labutam verozmente, se esforçam, não saem da linha, não perdem o foco de seu desejo até alcançá-lo. Não perdem o foco, mas perdem muitas outras coisas, pois nessa busca incessante, julgam por bem atropelar o que se fizer barreira em seu caminho. A essas pessoas, barreiras não são instransponíveis anyway e chutá-las a esmo não significa perda, só retirada, pura e simples. Aos românticos essa visão é dura e parte o coração. Somos mesmo diferentes.

Fazendo-se de Deus a justiça, raros os casos de quem luta e não consegue. O maior desafio é identificar seu sonho particular. Ser rico? Princesa? Ter amigos? Popular? De fato, às vezes querer muito pro futuro, implica minar rotinas do presente, podem atrapalhar. Vamos combinar de só sonhar sonhos possíveis? Emagrecer com o Mizuno no pé; ficar famoso com a Oficina de Atores; ser Presidente filiado a um partido; tocar bateria mas como o  Márcio...

Não dá. Para que o sonho doce seja realidade afável, o caminho é espinhoso.

Dream, but work hard!

Beijo.

5 comentários:

Laura de Oliveira disse...

:_)

Kizzy disse...

É, Dri...
Você se supera a cada dia...
Quanta coisa boa vc escreve...
Enfim... Que possamos continuar sempre sonhando... Mas para uns os sonhos que parecem possíveis podem não ser. E como saber o que é possível e o que não é? O importante é sonhar e se FAZER capaz de tornar o sonho realidade...
Bjos...

Patrícia disse...

Essa tocou no fundo do coração!! Beijo..

Patty

disse...

LINDO MESMO...
O SONHO PODE SER DOCE.O CAMINHO ESPINHOSO.
MAS, COM CERTEZA, O RESULTADO É SIMPLESMENTE DIVINO QUANDO REALMENTE ACREDITAMOS E ELE É ALCANÇADO!!!
BEIJOS NO CORAÇÃO.

Xaxá disse...

Lindo Dri !!!
Mas fica a pergunta...
Vc deixa o Marcelinho brincar com o meu filho ? kkkkkkkkkkkkkkkkkkk